Pergunte-me Qualquer Coisa: "Estou Pensando em Mudar de Curso... O Que Fazer?"

 

***Todas as perguntas são respondidas individualmente e publicadas apenas com a permissão de quem as enviou***

Olá Jessica, tudo bem?
Estou passando por um momento de conflito. Tenho 18 anos e entrei na faculdade de Pedagogia ano passado, porém não me vejo atuando nessa área (estou trabalhando como auxiliar em sala de aula). É desanimador, pois não sei ao certo que área seguir. Gosto de Humanas e o curso de Relações Públicas me despertou interesse, entretanto para cursá-lo terei que mudar de cidade. Além disso tudo sou bolsista do ProUni! O que fazer? Me sinto perdida, parece que todos os meus amigos estão evoluindo e eu estou ficando pra trás fazendo algo que não gosto.
Obrigada!
-Mariana

Oi, Mariana! Eu vou bem, e você? 

Primeiramente, obrigada pela mensagem! Não sei exatamente em que momento da escolha você está, então talvez eu acabe escrevendo demais. Também não sei o que é melhor para você nem farei escolhas por você (isso é algo totalmente seu e que ninguém tem o direito de tirar!), mas espero ao menos poder ajudar na sua reflexão. 

Pela sua idade você deve estar no primeiro ou segundo ano de Pedagogia, certo? Você trabalha como auxiliar em sala de aula, então você já deve saber melhor como é a Pedagogia e como você se sente em relação a ela. 

Mudar de curso é uma decisão grande e complexa, então acredito que o primeiro passo é ter certeza de que esse não é mais um curso do seu interesse. Algumas perguntas que podem te ajudar: 

  • Como foi a escolha pela Pedagogia? O que te atraiu nela lá atrás?
  • O que você esperava encontrar e o que você encontrou de fato, que agora te faz pensar em trocar de curso?
  • Quais são as possibilidades de trabalho de quem se forma em Pedagogia? Tem alguma possibilidade que ainda te atrai ou esse caminho realmente não faz mais sentido pra você? 

É uma boa tirar uns 15 minutos pra sentar e pensar sobre essas questões. Se você gostar, você pode escrever em um caderno ou no computador, pra organizar seus pensamentos, ou conversar com um(a) amigo(a) ou parente que você sabe que vai te ouvir sem te julgar. As coisas podem ficar bem bagunçadas na nossa cabeça quando pensamos sozinhas, e faz diferença ter alguma forma de exteriorizar e organizar tudo. 

Depois disso, pode ser que você decida dar mais uma chance pra Pedagogia (até porque "crises de meio de curso" são relativamente comuns), ou decida mudar de curso (porque quem você é agora quer outra coisa que não Pedagogia). 

Se você decidir mudar de curso, continuemos...

Não há necessidade de escolher o próximo curso o mais rápido possível. Tudo bem se daqui dois dias você não tiver certeza do que quer. Esse é o momento de rever todos os cursos que existem (okay, talvez não tooodos que existem) e conhecer mais a fundo os que despertam seu interesse. Agora que você já teve uma experiência de faculdade e trabalho, você provavelmente vai conseguir ter uma noção melhor do que os cursos são do que quando você estava terminando o Ensino Médio. 

Você pode começar fazendo isso no site do Guia do Estudante mesmo. 

Uma coisa que você pode fazer: entra lá, vai vendo a lista de profissões e vai abrindo TUDO que parecer legal. Mesmo que você não saiba o que é. Não se preocupe se você acabar com 20 ou 30 abas abertas. É assim mesmo: primeiro a gente abre muito pra depois ir afunilando. 

Quando você tiver terminado de ver a lista, é hora de ler as descrições de cada curso. Lembrando que são descrições curtas que vão tender pro lado mais simples das coisas, mas é ótimo pra começar. Conforme você for lendo sobre cada profissão, feche as abas dos cursos que não te interessam tanto assim e vai anotando em algum lugar os que ficaram. Talvez sobrem 10 cursos, talvez sobrem 5. Tá tudo okay. 

Agora que você tem uma lista dos cursos que te interessam, procure saber mais sobre eles. Não mais em sites sobre profissões, mas conversando com pessoas que cursam ou se formaram nisso e procurando as grades curriculares no Google. 

A ideia é: ter uma ideia o mais realista possível dos cursos. 

Sempre vai ter coisas que a gente não sabia, e acho que ser surpreendido em algumas coisas é até legal, mas tente formar uma ideia bem realista do que cada coisa é.

Ao mesmo tempo, você pode ir procurando as faculdades que oferecem esses cursos. Pode acontecer de só ter em outra cidade, como você já sabe que é com o curso de RP.

Aí você vai precisar fazer outra escolha: Estou ou não disposta a morar em outra cidade para fazer esse curso? Isso é financeiramente possível para mim? Se não for possível agora, tem algo que eu posso fazer para que seja possível? Estou disposta a fazer isso? 

Não tem problema nenhum se a resposta for "Não, não estou disposta a isso". Discursos do tipo "Siga os seus sonhos não importa o quê" são bonitinhos, mas na prática tem elementos bem concretos da realidade com os quais temos (ou não) que lidar, e que podem dificultar ou até impedir certos planos. E a gente precisa saber ajustar a situação e nos ajustar. 

Por exemplo, quando eu estava escolhendo faculdade, um critério meu era que tinha que ser cursos de manhã e/ou à tarde. Cursos à noite não eram uma possibilidade pra mim. Isso acabou cortando um curso que eu estava pensando em fazer e que parecia muito legal, mas que só tinha noturno. Mas okay, esse era o meu critério, então eu me responsabilizei pela minha escolha e segui analisando as outras opções. 

Então quais são os seus critérios para escolher um curso e  uma faculdade? O que é importante para você?

Se você estiver disposta a mudar de cidade para fazer RP, por exemplo, aí tem que ver todas as coisas relacionadas a isso (onde você vai morar, quanto custa morar nessa cidade, como vai ser o seu dia-a-dia, quais são as oportunidades de estágio e trabalho nessa cidade se isso estiver nos seus planos, decidir como e com que frequência você vai voltar pra visitar sua família se você quiser fazer isso, etc etc). É bastante coisa, então é natural que leve um tempo pra pensar e decidir! 

Conhecendo os cursos, pensando nos seus critérios e conversando com pessoas, você vai aos poucos chegando em uma escolha. 

Aí além de tudo isso tem mais duas questões que você fala: ser bolsista e se sentir ficando pra trás. 

Sobre ser bolsista do Prouni, não sei exatamente qual a sua preocupação. É por sentir que você está desperdiçando uma oportunidade que conseguiu? Medo de não conseguir outra bolsa? Essa ser a única forma de você cursar faculdade? 

E sobre se sentir ficando pra trás: conheço essa sensação! Na verdade acho que todo mundo já se sentiu assim quando um colega faz algo legal e você fica feliz por ele por dois segundos e depois começa a pensar se você também deveria estar fazendo alguma coisa de destaque. 

Entendo que você se sinta ficando pra trás, mas - e eu vou parecer velha falando isso - você ainda é super nova. 1 ou 2 anos em uma vida inteira de carreira não fazem tanta diferença. 

Tenho uma irmã que trocou de curso várias vezes e agora está com 30 anos cursando a primeira graduação. Se ela me falar que se sente velha e ficando pra trás, eu responderia "De fato, você acabou se afastando do que as pessoas consideram uma carreira normal, e pro mercado de trabalho deve ter uma diferença entre se formar com 25 anos e se formar com 35."

Mas sabe, ela nem se importa com isso, porque ela aceitou que esse é o tempo dela e que nem todo mundo tem o mesmo ritmo. Ela já ficou triste por ter levado muitos anos pra achar uma graduação mas agora ela sabe que todas as experiências valeram. E agora ela está feliz no curso, fazendo algo que ela realmente quer fazer e que faz sentido na vida dela, então isso é o mais importante pra ela. 

Muitas vezes a gente acha que todo mundo tem histórias lineares e bonitinhas, mas acho que a maior parte das pessoas "tropeça" em algum lugar do caminho. E se não tropeçou é porque ainda vai tropeçar. E tudo bem! 

O tempo que você passou fazendo Pedagogia não foi um "desperdício". Você cresceu nos últimos anos, teve experiências novas, conheceu gente diferente, mudou desde o Ensino Médio e se tornou quem você é hoje. Nenhuma experiência das nossas vidas vai pro lixo.

E talvez a pessoa que você é hoje não tenha mais nada a ver com Pedagogia, e okay. 

Você diz que sente que está ficando pra trás fazendo algo de que não gosta, então depois de pensar sobre todas essas questões, pergunte-se: você prefere ficar pra trás fazendo algo de que não gosta ou "ficar cronologicamente pra trás" fazendo algo de que gosta? (e lembra que no final, 1 ou 2 anos em uma vida inteira de carreira não fazem muita diferença).

Uau, escrevi um monte. Obrigada por ler tudo! (se você tiver lido tudo né, ahaha) Espero que eu possa ter te ajudado de alguma forma, e fique à vontade para continuar (ou não) essa conversa. Vou terminar com uma frase que eu adoro e que sempre me faz voltar pra mim mesma quando me sinto perdida: 

As pessoas vão te julgar não importa o que você faça, então você pode ao menos fazer algo que você quer.

Abraços!

-Jessica

***As dicas dadas neste post (neste blog inteiro na verdade) não têm a intenção de substituir um processo de Orientação Profissional. É óbvio que fazer as coisas por conta própria é diferente de ser atendido por um orientador. Mas eu acredito que a Orientação Profissional deve ser para todos, inclusive para quem, por qualquer motivo, não vai passar por um processo. Se você tem o desejo e a oportunidade de fazer Orientação Profissional, com certeza procure alguém na sua região (eu atendo na Vila Mariana, em São Paulo)***