Como Ir Para Uma Área Na Qual Você Não Se Formou (Sem Fazer Uma Segunda Faculdade)

 

Vamos admitir: o mundo de trabalho tá complicado. Existem centenas de cursos de graduação pra escolher, um monte de jeitos diferentes de se trabalhar e quase não se vê mais carreiras em uma "linha reta".

Se você está começando a trabalhar agora ou mesmo se já começou há alguns anos, sua carreira provavelmente não será uma sequência bonitinha de terminar a faculdade X e trabalhar em cargos cada vez mais elevados da área X. Vai ser mais parecido com terminar (ou nem terminar) a faculdade X, trabalhar com X por um tempo, depois mudar pra Y, aí ter uma breve experiência com Z, então voltar para X ou Y, aí se aventurar com A, e continuar fazendo mais algumas mudanças até o final da sua vida de trabalho. 

Mudar de carreira tem sido cada vez mais comum nesse mundo flexível de hoje. Não só o mercado de trabalho tem se aberto mais para isso, mas muitas pessoas também têm buscado algo além de sustento em suas carreiras, como maior satisfação pessoal, novos desafios e equilíbrio entre vida pessoal e profissional (se isso existir). 

A gente até pode saber de tudo isso, mas fica a dúvida prática: como eu faço para realmente mudar de carreira? 

algumas coisas que você precisa pensar antes de mudar de carreira

Antes de sair por aí enviando currículos ou planejando seu novo projeto, pare um pouco, respire e pense:

  • Por que você quer mudar de área? O que não te satisfaz mais onde você está? O que você quer de diferente? Por que essas coisas que você quer de diferente são importantes para você? 

  • Por que você quer ir para a área que você quer ir? Por que você quer fazer essa coisa nova? Como você imagina que esse trabalho seja? O que você imagina que vai mudar na sua vida se você fizer essa mudança de carreira? 

Essa é a parte de refletir bastante sobre você mesmo, o que você quer, o que é importante pra você e o que faz sentido na sua vida. E não pense sobre essas questões só na sua cabeça; anote suas respostas em algum lugar ou converse com alguém sobre isso. Quando escrevemos ou falamos com alguém, somos forçados a pensar e argumentar melhor, então as coisas vão ficando mais claras para nós mesmos do que se você só pensar vagamente que "cansou disso e quer tentar outra coisa pra ser mais feliz." 

Uma segunda coisa que você precisa pensar é a parte objetiva da sua mudança de carreira. Por exemplo: 

  • É financeiramente possível para você fazer essa mudança agora? Se não é possível, o que você pode fazer para que seja?

  • Você vai continuar no seu trabalho de agora para manter uma certa estabilidade ou vai sair e se dedicar totalmente à mudança? Faz mais sentido para você fazer uma transição gradual para a nova área ou ir de cabeça, de uma vez?

Tendo suas motivações e estratégias iniciais claras, é hora de partir para a mudança em si. 

 

a coisa mais importante para mudar de carreira: saiba quais são suas habilidades transversais

Habilidade transversal é tudo aquilo que a gente vai aprendendo e desenvolvendo naturalmente na vida e no trabalho. São coisas como boa comunicação oral e escrita, organização, flexibilidade, resiliência, liderança, planejamento, gestão, criatividade... Todas essas coisas que não se aprende formalmente em sala de aula, mas que a gente vai praticando no dia-a-dia, muitas vezes sem nem perceber.

É importante reconhecer suas habilidades transversais porque elas podem ser usadas em várias áreas profissionais. E dependendo da vaga, as habilidades transversais podem ser até mais importantes que alguns conhecimentos técnicos, que podem ser adquiridos em aulas e treinamentos. 

Então separe um momento para fazer o seguinte: 

  • Primeiro, liste todas suas experiências que você conseguir se lembrar - de emprego, estágio, bicos, projetos, trabalhos da faculdade, trabalhos voluntários...
  • Agora, pense em cada uma delas e anote: que conhecimentos, habilidades e competências você pôs em prática em cada experiência que pode ser útil para a área que você quer ir? Talvez você tenha aprendido a manejar muitas tarefas ao mesmo tempo, ou a lidar com um grupo de trabalho difícil, ou praticado escrita para situações institucionais... Faça uma caçada dessas habilidades transversais!

 

mas como se faz um currículo sem experiência na área?

Se a sua mudança de carreira inclui o processo de enviar currículos, pode parecer difícil passar dessa fase e ser convocado pra uma entrevista. Afinal, quem contrataria uma pessoa cujo currículo não tem nada a ver com a vaga em questão? 

A solução é: faça o currículo ter a ver. O máximo possível. 

Você pode fazer isso de dois jeitos:

  • Coloque as experiências mais semelhantes e/ou relevantes para o cargo (mesmo que não sejam de trabalho formal), detalhando elas muito bem;
  • Destaque habilidades transversais importantes de experiências aparentemente não relacionadas.

Por exemplo, imagine que eu, pessoa formada em Psicologia, queira ser professora de japonês em uma escola de idiomas que não exige licenciatura em japonês. Algumas experiências semelhantes que eu poderia colocar, detalhando muito bem cada uma, são: trabalhos voluntários de tradução japonês-português, um intercâmbio cultural que já fiz, participação em grupos e atividades bilíngues, certificações no idioma e uma aula particular que dei por um tempo pra um amigo. 

Aí eu também posso colocar experiências que me deram habilidades transversais importantes para o ensino de idiomas, mesmo que as experiências em si não sejam diretamente relacionadas a isso. Por exemplo, um estágio em hospital onde tive contato com crianças e adolescentes, ou uma experiência em empresa onde aprendi a a ser organizada e aberta a mudanças de última hora. Seja o que for, destaque as habilidades transversais que seriam úteis para o novo cargo, mostrando que mesmo que você não tenha muita experiência na área em questão, você é uma pessoa que pode se sair bem em algo novo. 

Se você quer ir para uma área ligada a arte, design, fotografia, trabalhos manuais, escrita, e etc, mais importante que um currículo é o seu portfólio. Existem vários sites em que você pode criar um portfólio online e mandá-lo para potenciais clientes/empregadores. Alguns exemplos de sites:

Lembrando que o portfólio, assim como o currículo, não é um lugar para colocar tudo que você já fez na vida, mas para apresentar uma seleção dos seus melhores trabalhos, aqueles mais relevantes para conseguir o que você quer.

E o legal de portfólios é que você não precisa apresentar só trabalhos "de verdade", feitos para clientes que te pagaram (ou não né). Você também pode colocar projetos que você fez em cursos ou por conta própria, para mostrar como você faria um certo tipo de projeto. 

 

Outras coisas que você pode fazer enquanto a mudança de carreira não acontece

Nem sempre as coisas acontecem tão rápido quanto a gente gostaria, e pode ser que levem meses até que você consiga entrar na área nova. É um período que dá uma agonia mesmo, de não saber se seu plano vai dar certo, mas felizmente tem várias coisas que você pode fazer para se preparar mais e ir melhorando seu currículo ou portfólio. Algumas sugestões: 

  • Se te interessar e for uma possibilidade, faça cursos na área pretendida. Podem ser cursos livres, de formação, pós-graduação, MBA, presenciais, online... Mas pesquise bem do que se trata o curso, para ter certeza de que ele será relevante para o que você quer. Não saia por aí se matriculando (e pagando caro) por um monte de cursos sem saber que sentido eles fazem na sua carreira;
  • Se for uma área em que isso faz sentido, tente entrar em um programa de trainee. Trainee são programas de empresas para recém-graduados, para treiná-los para cargos de gestão. O legal é que nos programas de trainee você costuma passar por várias áreas diferentes de uma empresa, então a sua mudança de carreira pode acabar acontecendo de uma forma super natural. 
  • Procure outras formas de se envolver com a área (e vai colocando essas experiências no seu currículo!). Participar de projetos voluntários pode parecer cansativo, mas é uma ótima maneira de atuar naquilo que você quer e conhecer mais gente interessada nas mesmas coisas que você. Outra opção é procurar por trabalhos freelancer de curta duração, que te dão a oportunidade de praticar independentemente do seu background acadêmico (recomendo o site UpWork para isso);
  • Participe de grupos no LinkedIn ou no Facebook, vá a eventos, congressos... Assim você entra em contato com pessoas que já estão na área pretendida, e pode conversar, fazer perguntas, ouvir histórias de carreira, pedir conselhos e até ficar sabendo de oportunidades na área;
  • Leia sites e livros da área, para conhecê-la ainda mais. Esse também é um bom jeito de se familiarizar com termos técnicos e já ter contato com tendências mais recentes da área. Peça indicações de materiais para conhecidos (ou até peça livros emprestados!), passe um tempo em bibliotecas e livrarias, e nunca subestime uma boa e velha pesquisa no Google;
  • Faça uma lista das pessoas que podem te ajudar nessa mudança - seja porque elas também já fizeram mudanças de carreira e podem te dar conselhos, ou porque elas estão na área que você quer e podem responder dúvidas e indicar materiais. Inclua pessoas mais novas, da mesma idade, mais velhas e de várias trajetórias de vida. Pode ser família, amigos, colegas da escola, da faculdade, professores... Quanto mais gente souber que você está querendo mudar de área, mais oportunidades podem aparecer no seu caminho. A gente esquece disso, mas as pessoas gostam de ajudar seus amigos e parentes, e quando procuramos por apoio, percebemos que tem mais gente torcendo por nós do que imaginávamos.